Saiba o que causa e como tratar o tártaro nos pets

Tudo o que você precisa saber sobre tártaro em cães e gatos. Descubra aqui!

O cuidado com os animais de estimação vai muito além da escolha de uma boa ração. A manutenção da saúde dos cães e gatos está atrelada a bons hábitos de higiene e ao bem-estar mental. 

O tártaro é um problema de saúde bucal que costuma aparecer em cães e gatos e demanda uma atenção especial dos tutores. Se não tratado, pode ocasionar problemas graves, como perda dental e infecções. Entenda!

O que é o tártaro?

Assim como nos seres humanos, o tártaro é um problema de saúde bucal que pode acontecer com cães e gatos. Ele decorre do acúmulo de resíduos alimentares na região dos dentes e da gengiva, e esse acúmulo de alimento se transforma em uma placa bacteriana.

O tártaro aparece pela falta de higiene adequada e pode causar inflamação das gengivas e perda dentária. Mas como lidar com esse problema? Será que é preciso manter uma rotina de escovação dentária nos pets? 

Como tratar a saúde bucal dos animais? 

A prevenção é sempre o melhor caminho, por isso, é importante que os tutores abram a boca do animal periodicamente para analisar a colocação dos dentes e da gengiva. 

Somado a isso, sempre que possível, pode ser interessante manter uma rotina de escovação. Em alguns animais, esse hábito pode ser inserido aos poucos, porém, em outros casos, é compreensível que os tutores não consigam fazer uma higienização adequada por resistência do animal.

Nesses casos, é recomendado realizar visitas periódicas ao veterinário que vai orientar sobre a necessidade de realização de limpezas dentárias. O profissional poderá avaliar a saúde bucal do pet e indicar o melhor tratamento.

Quais são os riscos do tártaro para a saúde do pet?

A indicação dos profissionais da área de veterinária é que o tártaro seja tratado assim que identificado, já que pode evoluir para problemas mais sérios. 

As bactérias presentes na boca podem entrar na corrente sanguínea, migrando para órgãos vitais do seu pet, como rins, fígado ou coração. Esse tipo de situação pode se tornar um problema mais grave, inclusive, potencializando o risco de óbito. 

Como é feito o tratamento do tártaro nos pets?

Via de regra, o tratamento do tártaro demanda uma intervenção cirúrgica com anestesia geral. O tipo de anestesia utilizado depende da análise de cada caso e da conduta escolhida pelo profissional responsável. Em muitos casos, utiliza-se o anestésico inalatório, porém não há uma regra com relação a essa escolha. 

Após o efeito do agente anestésico, o profissional inicia a raspagem dos dentes para a retirada de todo o tártaro. Esse procedimento pode ser realizado por um veterinário ou odonto veterinário. 

Antes do tratamento, é necessário realizar exames de risco cirúrgico com o animal. Esses exames permitem identificar eventuais problemas de saúde que podem decorrer de riscos para o animal. Se correr tudo bem no procedimento, o animal será liberado em poucas horas. 

Como realizar a escovação dental no pet?

No mercado você encontra escovas dentais específicas para pets — elas são mais marciais e não machucam, o que vai facilitar a escovação. Os veterinários orientam a realização dessa escovação pelo menos três vezes por semana, porém, é importante que você converse com o profissional que acompanha o seu pet para solicitar orientações específicas de acordo com as necessidades do seu animal.

Nas primeiras tentativas, o animal não deve ser forçado, ele precisa se sentir à vontade, por isso, tenha paciência e faça parecer uma brincadeira. Um adestrador poderá ajudá-lo nesse sentido, já que ele conhece práticas que facilitam o controle do animal.

No caso dos gatos, a escovação pode ser mais difícil. Primeiro, pelo comportamento natural dos gatos; segundo, pelo tamanho dos dentes e a dificuldade de fazer uma higienização delicada. 

Se você não conseguir manter essa rotina de escovação, não se preocupe, já que as visitas regulares e o acompanhamento veterinário são suficientes para ajudar a controlar a saúde e realizar limpezas, evitando o avanço dos tártaros. 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.